Da Girafa à Pulga de Areia

Ana Vicente + Madalena Matoso

Um livro que te mete uma girafa no bolso e uma pulga atrás da orelha

Este livro parece simples. E é. Mas também pode parecer complexo. Porque também o é. Vais gostar deste livro, página a página, da capa à contracapa. Vais gostar destas ilustrações e destas histórias, seja lá por que razão for. Isabel Minhós Martins diz-te, no início do livro, por que razão gostou delas – e são várias as razões… muitas até, contando com as entrelinhas:

“Gosto destas histórias porque são despretensiosas e divertidas. Porque na sua simplicidade não deixam de interrogar e desarrumar o mundo, encontrando na vida quotidiana das constipações e «do pensar no que vai ser o jantar» (preocupações que, pelos vistos, partilhamos com lagartixas e rãs), motivos para nos espantarmos e rirmos.

Chegam estas histórias a fazer lembrar aquelas outras que os miúdos contam enquanto brincam, ou que mais tarde, mais crescidos, escrevem nos cadernos da escola. São histórias sem «querer parecer nada», sem nada querer «ensinar», a não ser que há coisas engraçadas a acontecer à nossa volta e mesmo que não as haja, é sempre possível inventá-las.

São histórias «porque são». E estão aqui, imagino, porque foram ter com a autora, num certo dia, a uma certa hora, talvez a um fundo de quintal ou a uma varanda, à tardinha. Nestas histórias tanto pode acontecer pararmos de repente a ver as coisas de modo diferente («porque é que a girafa é amarela às pintas pretas?»), como exactamente o contrário: não encontramos a mais pequena estranheza nos surpreendentes casos da vida (como uma avestruz que come uma revista «e o guarda, sorumbático oh minha senhora não é a primeira e com certeza que não é a penúltima»).

Das ilustrações, podia dizer tanta coisa. Talvez refira os pormenores que são apenas um dos seus lados mais brilhantes: quando a Madalena desenha (ou recorta e cola) um simples prato, apetece logo que ele se torne real, levá-lo para casa e nele comer uma massa ou uma salada colorida (já agora também assim recortada).

E o mesmo é válido para um vestido ou um tapete: como é perfeito, com as riscas no tamanho exacto, as cores a bater tão certo… era mesmo este que eu queria à saída da banheira. Olhamos estas imagens e adivinhamos o gozo plástico que deve ter dado criá-las, a delicadeza da tesoura a recortar umas asas. Gosto deste livro porque é bonito de verdade e não finge ser outra coisa qualquer.”

16×16 cm / capa dura / 32 página

Preço: 10€

Outros livros